Análise games - The Witcher Enhanced Edition


The Witcher é uma RPG de ação e fantasia, baseado nos livros do polonês Andrzej Sapkowski. Desenvolvido e distribuído pela também polonesa CD Projekt Red, lançado em outubro de 2007, exclusivamente para os PCs. 

Em The Witcher somos apresentados ao reino de Temeria, situado em um mundo de fantasia medieval. Na trama acompanhamos Geralt de Rivia, um bruxo caçador de monstros, que apos sua suposta morte, retorna misteriosamente ao mundo dos vivos, porém ferido e sem memória. Ao ser encontrado é levado a Kaer Morhen, fortaleza dos bruxos, onde presencia a invasão do local pelo grupo criminoso Salamandra, que rouba os segredos dos mutagênicos dos bruxos, deixando muitos mortos e feridos. A trama começa de fato com Geralt se unindo aos bruxos remanescentes em uma busca desesperada para recuperar os segredos roubados e descobrir os objetivos da Salamandra.

O maior destaque de The Witcher com toda a certeza é sua historia e seu rico universo de fantasia. O game se baseia nos livros escritos pelo polonês Andrzej Sapkowski, que criou um universo ficcional, cheio de elementos da mitologia eslava, que o torna quase que único e distinto da maioria dos universos de fantasia. Um bom exemplo disso é a origem e função dos bruxos, criados e treinados desde a infância, sofrendo experimentos que envolvem magia, alquimia e até mesmo alteração fisiológicas, tornando-se assim sobre-humanos e exímios caçadores de monstros. Alem disso os mitos e lendas da cultura eslava, apresentam uma serie de criaturas nunca vistas em um RPG, vemos uma os tradicionais, vampiros, lobisomens e fantasmas, todos com uma nova interpretação e o melhor vemos uma quantidade considerável de novas criaturas, tais como os Graveir, um grande monstro em forma humanóide que se alimenta de cadáveres, ou o emblemático Cockatrice, uma espécie de dragão com cabeça de ave e tantos outros que fazem o game tornar-se único. 

Além da extensa variedade de criaturas, o game se destaca, por apresentar uma trama extremamente madura, com altas doses de violência, sexo, intrigas políticas e principalmente conflitos éticos, diferenciando-se por não tratar tudo de forma obvia, fazendo o jogador aos poucos perceber que não há somente o bem e o mal, que nem tudo se resume ao certo e o errado e que não só os monstros podem espalhar a maldade pelo mundo. E isso se intensifica ao longo da campanha quando Geralt se depara com situações que ele mesmo não sabe como resolver, como por exemplo, a escolha de aceitar um Lobisomem como aliado em sua busca para deter a organização criminosa Salamandra, ou mesmo permitir que um bordel permaneça sobre o domínio de Vampiras, apenas para não prejudicar algumas pessoas que dependem do funcionamento do estabelecimento. 

E um dos principais conflitos que o game apresenta é o entre os humanos e os não-humanos. Na sociedade de Temeria, elfos, anões e até mesmo os bruxos são tratados como parias, obrigados a viver a margem da sociedade, muitas vezes sem direito algum. Nos primeiros capítulos do game Geralt consegue se manter neutro ao eminente conflito entre os humanos e não-humanos, apenas observando os atos de ambos os grupos, mas com o desenvolvimento da historia, o game força o jogador a tomar partido de um dos lados. Porem essa não é uma escolha fácil, uma vez que ambos os lados se demonstram com motivações justas, do mesmo modo que tomam atitudes questionáveis. Não importa qual dos lados se escolha, inevitavelmente haverá conseqüências e baixas serão sofridas em ambos os lados do conflito. Isso faz com que a trama se torne muito verossímil e marcante, pois faz o jogador de fato realizar uma escolha, não só seguir um caminho já pré definido. 

Além da excelente trama, The Witcher conta com ótimos personagens, como a bela feiticeira Triss Merigold, que além de servir de interesse amoroso para Geralt, esconde alguns segredos que te fazem indagar sobre seus reais objetivos, ou o determinado elfo Yaevinn, líder dos Scoia'tael, grupo rebelde que luta pelos direitos dos não-humanos. Porém todos se tornam pequenos perto de Geralt de Rivia. Geralt é um personagem muito bem construído, que mesmo sem memória, demonstra uma personalidade forte, extremamente serio, mas igualmente carismático, que não hesita perante a qualquer desafio. Geralt é um personagem determinado, mas porem aos poucos vai percebendo que o mal que ele busca combater, nem sempre esta limitado aos monstros que caça, mas também existe em meio aos humanos, isso o faz questionar suas convicções, deixando a trama ainda mais envolvente e crível. 

A jogabilidade talvez seja o fator mais controverso de todo o game, muitos jogadores simplesmente abandonaram o jogo por não conseguir se adaptar a jogabilidade diferente de The Witcher. Primeiro a movimentação é um pouco estranha, muitas vezes Geralt parece desengonçado ao se movimentar pelos cenários. Mas o principal fator que afastou muito jogadores é o modo de combate, ao contrario de muitos jogos de ação, em The Witcher a regra de esmagar os botões de ataque incansavelmente não se aplica, uma vez que o personagem só realiza o ataque se o jogador apertar o botão correspondente do tempo certo, além disso, há três tipos de estilos de ataque, o estilo forte, estilo ágil e o em grupo, e para complicar um pouco mais, há dois tipos de espadas, uma para monstros e outra para humanos. Com isso o jogador a cada combate terá que escolher corretamente a espada, o estilo de ataque correto, além de realizar os comandos no momento certo. É uma jogabilidade complexa e nem um pouco convidativa, mas que apos algumas horas de jogatina se torna quase tão natural que deixa de ser um incomodo. 

Outro fator que influencia na jogabilidade é a alquimia, há varias poções no jogo, com os mais variados efeitos, sendo que em alguns momentos certas poções se tornam extremamente necessárias para se vencer determinado monstro. Porem Geralt só consegue fazer determinada poção apos aprender sobre a mesma e coletar os ingredientes corretos, fazendo com que a compra de livros e receitas se torne extremamente necessária, além de incentivar a exploração dos cenários em busca de novos ingredientes. 

A ambientação do game impressiona já no primeiro mapa. O game é dividido em regiões que vão sendo liberadas conforme se avança na campanha, há basicamente quatro localizações, a cidade de Vizima, o pântano e duas vilas, há outros mapas menores, mas que basicamente complementam os mapas principais. Pode parecer pouco, mas todos os mapas são muito bem detalhados e ambos, tornando-se repetitivos apenas nos interiores de cavernas, masmorras e casas. Mas de forma geral a ambientação esta ótima, uma vez que cada cenário apresenta uma fauna e flora distintas, dando uma ar de novidade a cada novo mapa descoberto. Além disso, o game apresenta a alternância de dia e noite que deixa os cenários ainda mais belos. 

Dois pontos negativos no game são os loads e os NPCs. Os loads estão presentes entre a transição de uma área e outra, porem eles são bem demorados, chegando ao ponto de se tornar um incomodo. Quanto aos NPCs, os modelos são muito repetitivos, os cenários normalmente são muito bem povoados, porem os modelos da população são quase sempre os mesmos, velhos, comerciantes, cortezas e tantos outros NPCs tem basicamente o mesmo modelo entre si, raramente variando apenas a cor de suas roupas, isso tira um pouco da imersão no game, mas não chega a estragar a experiência. 

The Witcher é um excelente RPG, com uma historia madura, uma mitologia extremamente interessante e um protagonista forte e marcante, cheio de momentos surpreendentes que o tornam um RPG ímpar e um dos melhores jogos do gênero que tive o prazer de jogar. Um RPG como poucos, que mesmo com algumas falhas, como sua jogabilidade confusa e seus loads intermináveis, merece ser jogado mesmo hoje, apos 8 anos de seu lançamento. 

"Cale a boca, seu bastardo. Vocês são todos iguais, todos culpados!" - Geralt.



Informações adicionais:

Nota geral: 10.
Tempo para finalizar a campanha: Aproximadamente 60 horas.
Dificuldade: Média.
Fica a dica: Evolua as habilidades de Geralt visando deixa-lo mais forte e ágil em combate e escolha apenas uma das magias para evoluir, dessa forma os desafios se tornarão mais fácies.
Modo de jogo: Singleplayer.
Idioma: Inglês, porem com tradução disponível no site GameVicio.
Imagens durante a jogatina: Clique aqui.

Comentários

Postagens mais visitadas