Análise games - Batman: Arkham City



Continuação direta de Batman: Arkham Asylum, aclamado game de 2009, Batman: Arkham City, produzido pela Rocksteady Studios, foi lançado a menos de um ano e foi considerado como um dos maiores lançamentos de 2011. O game mostra Batman lidando com as consequência da criação de um bairro prisão em Gotham City.


Batman dispensa apresentação, o personagem que teve sua origem nos quadrinhos já se tornou um ícone da cultura pop, mas como a maioria dos personagens das HQs ele teve poucos jogos que fizessem jus ao seu rico universo, mas isso mudou em 2009, com o surpreendente Batman: Arkham Asylum, o game foi considerado simplesmente o melhor jogo baseado em um super herói e Batman: Arkham City conseguiu o improvável, superar o seu antecessor. (Leia a análise do primeiro game aqui)

Tudo começa com Bruce Waine, identidade secreta de Batman, sendo capturado e aprisionado na cidade prisão Arkham City, pelo vilão Hugo Strange, que foi apenas citado no game anterior. Strange aparentemente tem o controle de Arkham e pretende colocar em pratica um misterioso plano chamado de protocolo 10. Apos conseguir se libertar, em meio ao caos de Arkham City, Batman vai em busca de respostas e descobre que Strange não é o único que almeja o controle de Arkham.

A Historia de Arkham City surpreende, a narrativa vai crescendo e se desenvolvendo conforme se avança na campanha principal e a adição de vilões clássicos do herói na trama torna a historia ainda mais interessante. Pinguim, Duas Caras e Sr. Frio são apenas alguns dos muitos personagens que aparecem na historia, todos com seu devido destaque e contribuindo com a trama de forma coerente e nunca de forma gratuita. Mas não tem como negar que o maior vilão é o Coringa, mesmo ele não sendo o principal vilão da trama, ele rouba a cena, sem sombra de duvida ele é o vilão mais carismático no universo dos quadrinhos e o desfecho da trama é surpreendente e impactante o suficiente para confirmar isso.

Uma grande mudança no game foi a ambientação, saímos da pequena ilha de Arkham Asylum do primeiro jogo e adentramos no mundo aberto de Arkham City, apesar de ser pequeno se comparado com os mapas de GTA, o cenário apresentado é grande o suficiente para garantir boas horas de exploração e há um punhado de missões secundarias que garantem que sempre haja algo a ser feito, missões essas que vão desde as intermináveis desafios do Charada a desvendar misteriosos assassinatos. Apesar de gostar de games com inúmeras missões e intermináveis horas de gameplay achei que o excesso do que fazer em Arkham City acabou prejudicando o envolvimento na trama principal, pois a todo o momento o game te enche de informações que inevitavelmente te levam a missões secundarias, tirando o foco da missão principal.

A jogabilidade teve melhorias consideráveis, apesar dos novos comandos inicialmente terem me causado certa estranheza, o sistema de combate continua extremamente intenso e gratificante, ficando ainda mais dinâmico com os novos "bat-assessórios" que vão desde bombas de fumaça a granadas congelantes. Outra novidade é a possibilidade de planar pelos cenários dando uma ótima opção para se mover com velocidade por grandes distancias. Mas a grande novidade fica com a adição na sensual Mulher-Gato na jogabilidade, em certos momentos você assume a vilã/heroína, que assim como Batman é extremamente ágil e oferece um verdadeiro espetáculo nos momentos de combates, apesar de ser um pouco mais frágil do que o homem morcego.

O visual do games esta ótimo, principalmente no que diz respeito aos personagens, todos estão muito bem detalhados e com um estilo próprio, até mesmo os bandidos comuns são bem trabalhados apresentando uma grande variação de modelos. Arkham City é densa e sombria, com um alto detalhamento dos seus ambientes cheios de referencias ao universo de Batman e a qualidade gráfica apenas aumenta a sensação de se estar em Gotham City.

A edição nacional de lançamento do game contou como brinde uma historia em quadrinhos com 148 paginas, escrita pelo mesmo roteirista do game,  alem da DLC que permite jogar com o personagem Robin nos mapas de desafio, mas o principal detalhe dessa edição é que o game esta com as legendas traduzidas para o português, o que torna o jogo bem mais interessante e envolvente. A iniciativa da Rocksteady em traduzir o game só confirma que o mercado brasileiro de games finalmente esta ganhando a devida atenção das grandes produtoras.

Batman: Arkham City, com toda a certeza, esta entre os 5 melhores games de 2011, tem uma historia envolvente, com personagens cativantes, uma jogabilidade fluida, gráficos incríveis e com conteúdo suficiente para garantir mais de 30 horas de gameplay. A Rocksteady realizou um grande feito em superar as expectativas com seu novo Batman e com isso garantiu seu lugar entre os grandes estúdios de games da atualidade, gerando assim ainda mais expectativas para um futuro terceiro game.

"Não há nada de errado com você" - Batman
"Engraçado você dizer, mas de todas as pessoal você deveria saber. Que há muita coisa de errada comigo" - Coringa



Comentários

Postagens mais visitadas